Usa Flag / English Version Bandeira do Brasil / Versão em Português
CURRENT MOON
Lua atual

Crateras Concêntricas

Crateras concêntricas:

Como são formadas as crateras concêntricas como Hesiodus A e MARTH?

Geralmente, as crateras concêntricas são formações pequenas, apresentando diâmetro médio de 8 km. Essas crateras são chamadas de concêntricas, pois possuem anel interno, de origem indeterminada. O anel interno geralmente apresenta cerca da metade da largura da cratera. Existem perto de 60 crateras concêntricas na superfície lunar, com diâmetros variando de 3 Km até 20 km.  

Ao observar uma cratera concêntrica como Hesiodus A (diâmetro: 15 Km, profundidade: 1,4 Km, Coordenadas Selenográficas: LAT: 30.13o E, LON: 17.09o W), inicialmente, um observador pode ter a impressão de que dois impactos aleatórios ocorreram (ou impactos de um par de asteroides sequentes ou associados), precisamente um em cima do outro, escavando assim, duas bordas na mesma cratera. Porém, algumas hipóteses têm sido propostas, para explicar a verdadeira origem dos diferenciados anéis internos das crateras concêntricas.

ImagemA cratera concêntrica Hesiodus A fotografada em voo orbital pela sonda lunar robótica americana LRO da NASA.

Além de impactos coincidentes, essas hipóteses também englobam fenômenos de afundamento do piso da cratera por ação da gravidade e o afloramento de lava através de fissuras ao redor do piso da cratera, dispostas ao longo das bordas internas. Essa última hipótese parece ser a mais viável, apesar de haver outras variáveis envolvidas, tais como teor da lava, a taxa do fluxo, a viscosidade e a textura.

Porém, não existe exatidão para explicar por que, nas crateras concêntricas, as lavas afloraram para formar os anéis internos. Existe a possibilidade de ter ocorrido uma obstrução contra um escape de magma abaixo da cratera. Isso poderia ter levantado o piso da cratera, que mais tarde teria deflacionado no centro, causando assim o seu colapso, deixando um anel interno.

Existe também a possibilidade de que o denso material fundido (gerado pelo impacto que criou a cratera), localizado no piso interno, tenha resistido à elevação das lavas que queriam aflorar. As lavas por sua vez, podem ter empurrado para cima o piso, a partir de baixo.

 Apesar de não sabermos qual a real motivação para a formação das crateras de anéis concêntricos, tudo leva a crer que haja uma íntima ligação com processos vulcânicos, envolvendo lavas que vem de baixo.

ImagemComposição fotográfica mostrando as crateras concêntricas MARTH (diâmetro: 6,5 Km) e Hesiodus A (diâmetro: 16 Km) - VTOL.

ImagemA cratera concêntrica MARTH fotografada em voo orbital pela sonda lunar robótica americana LRO da NASA.

ImagemA cratera concêntrica sem nominação, localizada junto à borda sudeste da cratera BEAUMONT - LRO / NASA.

ImagemA cratera concêntrica Pontanus E - LRO / NASA.

ImagemA cratera concêntrica Gambart J - LRO / NASA.

ImagemO perfil altimétrico W - E da cratera Hesiodus A - LRO QuickMap.

 

Cratera Hesiodus A:

Diâmetro: 15 Km;

Profundidade: 1,4 Km;

Coordenadas Selenográficas: LAT: 30.13o E, LON: 17.09o W;

Melhor período para observação: 1 dia após o quarto crescente ou no quarto-minguante;

Período geológico lunar: Provávelmente Ímbrico (de 3,85 bilhões até 3,2 bilhões de anos atrás);

Quem foi HESIODUS? Hesíodus foi um poeta grego ativo entre 750 e 650 aC.

Hesiodus A é uma pequena formação circular incomum, relativamente rara e muito interessante, localizada a sudoeste da cratera HESIODUS (diâmetro: 42 Km, profundidade: 1,6 Km), na margem sul do Mare NUBIUM. Hesiodus A é uma cratera de bordas afiadas, que possui superfície interna formada por dois anéis concêntricos ou, em outras palavras, por duas paredes internas concêntricas. O piso pertencente do anel interno é irregular e desnivelado.

Hesiodus A adentra ligeiramente a borda sudoeste da cratera HESIODUS, cujo aro é baixo e fortemente desgastado. A cratera HESIODUS tem piso interno inundado por lava basáltica com aspecto plano e liso, apresentando o impacto da pequena cratera Hesiodus D (diâmetro 5Km, profundidade: 0,87 Km ) muito próximo de seu centro.

ImagemO perfil altimétrico detalhado da cratera Hesiodus A - LRO QuickMap.

Foto acima executada com apenas 1 frame em 02‎ de ‎novembro‎ de ‎2014, ‏‎23:31:03.

Foto executada com apenas 1 frame em 09‎ de ‎junho‎ de ‎2014, ‏‎22:15:42.

Foto principal executada com apenas 1 frame em 01‎ de ‎maio‎ de ‎2013, ‏‎03:35:30 (06:35:30 UT).

Foto executada com apenas 1 frame em 16‎ de ‎abril‎ de ‎2016, ‏‎19:52:24 (22:52:24 UT).

Foto executada com apenas 1 frame em 09‎ de ‎junho‎ de ‎2014, ‏‎22:15:42 (01:15:42 UT). Inserções menores: NASA / LRO.

So2

Blog "Sky and Observers" - dezembro ...
Blog "Sky and Observers" - dezembro / 2019
Olá pessoal, Neste mês (dezembro / 2019) estão publicados no Blog "Sky and Observers" os seguintes assuntos: O Almanaque Astronômico Brasileiro de 2020! Nota: Link para download gratuito: ... Leia mais

Olá pessoal, Neste mês (dezembro / 2019) estão publicados no Blog ... Leia mais
02/12/2019
D

UM OLHAR REAL EM DIREÇÃO AO ...
UM OLHAR REAL EM DIREÇÃO AO UNIVERSO - por Nelson Travnik.
ASTRONOMIA UM OLHAR REAL EM DIREÇÃO AO UNIVERSO por Nelson Travnik Nesta segunda-feira, 2, astrônomos de todo País, estarão comemorando o Dia Nacional da Astronomia, o Dia do Astrônomo. A grata ... Leia mais

ASTRONOMIA UM OLHAR REAL EM DIREÇÃO AO UNIVERSO por Nelson Travnik Nesta ... Leia mais
28/11/2019
Bo

Boletim Observe! - dezembro / 2019
Boletim Observe! - dezembro / 2019
Nobres colegas: O Boletim Observe! do mês de dezembro de 2019 está disponível no endereço eletrônico mencionado a seguir: http://www.geocities.ws/costeira1/neoa/observe.pdf Leia a edição atual ... Leia mais

Nobres colegas: O Boletim Observe! do mês de dezembro de 2019 está disponível ... Leia mais
28/11/2019
Nasa_logo

Revista Brasileira de Astronomia - ...
Revista Brasileira de Astronomia - Artigo de Nelson Travnik.
Artigo de Nelson Travnik publicado na Revista Brasileira de ASTRONOMIA - Ano 1 / Numero 4 / out - dez 2019 (produzida pela Sociedade Astronômica Brasileira), sobre a participação brasileira no Projeto LION:

Artigo de Nelson Travnik publicado na Revista Brasileira de ASTRONOMIA - Ano 1 / Numero 4 / out - ... Leia mais
28/11/2019